27/07/2014

TRABALHADOR



Sempre que ando pelas ruas e vejo alguém dando duro no trabalho, recolhendo o lixo, carregando uma carga, ou qualquer tipo de trabalho pesado ou que exija muito, viro para minha esposa brincando e canto o refrão daquela música do Seu Jorge: "Trabalhador!" 

Nesses dias, estou quebrando o preconceito que tinha em relação a um personagem específico dos bastidores da NBA. Sou servidor público e muitas vezes fico 1, 2 horas a mais no expediente para cumprir minhas obrigações em prol da comunidade. E odeio que pensem que não faço nada porque sou funcionário público. Também não deveria pensar assim do General Manager de uma franquia. E David Griffin está ajudando a ver o cargo de forma diferente. 

Desde que assumiu o cargo, Griffin tem mostrado seu valor. Temporariamente, Griffin substituiu Chris Grant demitido no início de fevereiro da temporada passada e, de cara, já fez uma excelente aquisição perto da Trade deadline, trazendo o Spencer Hawes para Cleveland. O time deu uma guinada na temporada, os rumores sobre o vestiário problemático diminuíram e o time terminou o ano com uma campanha superior a 50%, contra os 40.2% da temporada como um todo. 

Na offseason, surpreendeu a mídia e torcedores abrindo a Free Agency com a notícia da extensão do contrato de Kyrir Irving, astro e dono do time até então. Era grande a especulação sobre uma insatisfação de Irving com o time de Cleveland e muitos os rumores sobre uma saída no próximo ano. Griffin silenciou todas as conversas negativas e garantiu o armador no time, trazendo a paz necessária para encarar o difícil período de contratações. 

Antes porém de contratar qualquer jogador, Griffin encarou o complexo período de contratação de treinador. isto porque fez a escolha de demitir o treinador anterior, Mark Brown, que estava há apenas um ano no cargo. Não foi problema para o GM, que tomou a difícil decisão. Começou então o longo processo de contatos e entrevistas com os candidatos ao posto de treinador. Não foram poucas as reuniões. E Griffin não buscou o caminho fácil.  Com alguns nomes mais evidentes no mercado, foi buscar na Europa o nome de David Blatt, chocando o mundo do basquete. Griffin foi audacioso e competente para trazer um nome de sucesso no basquete mundial para um posto alto na NBA. Excelente, excelente trabalho. Imagina o quanto deve ter sido difícil convencer o dono do time!!! 

Houve ainda o processo de escolha do Draft. Com a primeira escolha num Draft considerado talentoso, você consegue imaginar a quantidade de variáveis possíveis? Foram necessários muitas reuniões e telefonemas para não trocar a primeira escolha e decidir trazer Wiggins para os Cavs. Além de garimpar o Harris e fazer uma troca para trazer o Dwight Powell. Fazia tempo que o Draft nao deixava os torcedores com raiva.

Com o anúncio do retorno de Lebron James, caberia a Griffin abrir espaço na folha salarial para receber o jogador. Logo, vimos sair Jack e seu alto contrato, além do sempre questionado Tyler Zeller (para alguns, uma alegria!). Mudanças difíceis, mas necessárias. O elenco está sendo fortemente reformulado. Além de James, estão vindo o Mike Miller e Jones.  Saíram C.J. Miles, Gee, Karasev, Hawes, Luol Deng. 

E o trabalho não pára. Muito esforço tem sido realizado para adicionar o astro Kevin Love ao time, preferencialmente sem envolver a promessa Wiggins. Como já surgem até rumores de que Love teria pedido para ser trocado para os Cavs, continua a tarefa do Griffin para fazer o melhor negócio. Diante da natural pressão da torcida de Cleveland, sempre muito exigente e apaixonada. Griffin sabe que caso não consiga trazer o Love ou manter o Wiggins, poderá ouvir críticas ferozes. 
Portanto segue a jornada de trabalho árduo. 
Trabalho de um verdadeiro trabalhador a serviço dos Cavs!

22/07/2014

CLEVELAND CONTINUA SE MOVIMENTANDO


Cleveland continua se movimentando nesta offseason.

Desta vez, os Cavaliers adquiriram o John Lucas III, Malcolm Thomas e Erik Murphy do Utah Jazz em troca do trabalhador Carrick Felix, uma escolha de Segunda rodada no Draft de 2015 e 1 milhão de dólares.

Nesta movimentação, os Cavs conseguiram 3.3 milhões em contratos não-garantidos, que podem facilitar a vida de nosso clube na caminhada em direção a uma troca pelo Kevin Love.

Cleveland está cada vez mais perto de formar um big 3. Mas ao contrário do que aconteceu quando Lebron foi para Miami, na panelinha com Bosh e Wade, Lebron voltou para Cleveland e o resto do time, as estrelas que vierem, virão por puro esforço e trabalho do General Manager. 

---
Dion Waiters foi selecionado juntamente com outros jogadores como Barnes, Cody Zeller, Oladipo entre outros para um time que ajudará nos treinamentos da seleção americana que participará do Campeonato Mundial de basquete. Essa segunda equipe, cheia de jovens promissores, estará com a seleção americana entre 28 e 31 de julho. 

--
Cavs aparece em 7º no NBA Power Rankings. É consenso que a saída de Lebron do Miami deixa o Leste muito mais equilibrado. E Sem dúvida coloca os Cavs como um dos favoritos. Porém os times do Oeste ainda dominam o ranking. Cavs é apenas o segundo do leste na lista, logo atrás do Chicago Bulls. A liderança, evidentemente, continua do Spurs, atual campeão da NBA.


20/07/2014

FANÁTICO DE NASCENÇA

Estávamos sem incluir nada na seção FANÁTICOS há um bom tempo. 
Mas abro espaço agora para um post especial para mim e minha família.

Minha querida esposa resolveu fazer o chá de fraldas para nosso filhote Benjamin com a temática do Cleveland Cavaliers!! (Juro, juro que não houve pressão nem constrangimento de minha parte) 

Evidentemente que foi muito difícil conseguir ornamentar o ambiente com coisas dos Cavs. Foi necessário pegar algumas de minhas peças de estimação, que cedi com dor no coração. 
No final, a festa foi muito divertida e ficou bem bonita!!

Deixo desde já os agradecimentos  Karine, Soraya, Tia Clotilde e a todos que colaboraram demais na festa. 
Passado o estresse, como torcedor do time, gostei demais do que foi feito. 
E creio que merece por demais entrar na seção deste site, que serve para divulgar seu amor ao clube. 

Benjamim ainda nem nasceu, mas como a Bíblia diz que nós devemos ensinar o nosso filho o caminho em que deve andar e quando ele crescer não se afastará dele, não custa nada começar desde cedo.

Clique nas imagens para ampliar!


Detalhe do bolo e do Moondog!!



Placar quase eletrônico...kkk

Quem chegava, jogaria sua fralda na cesta!

Essas foram compradas há mais de 1 ano atrás, já para esses dias!

Olhá o Varejão no detalhe à esquerda!

Lembrança foi um Squeeze 

Pai bobão, devidamente uniformizado

Aqui os ingressos convites!

Se você tiver fotos que mostrem seu amor pelos Cavs, entre em contato com nossa equipe do site, pelo e-mail (cavsthatilove@gmail.com), pelo Twitter ou pelo Facebook.
  

15/07/2014

MIKE MILLER É A NOVA CONTRATAÇÃO DO CAVS



Segundo múltiplas fontes no twitter o Cavs acabou de fechar com o Shooting Guard Mike Miller, ex-Memphis Grizzlies. Miller acertou um contrato de dois anos com um player option no segundo ano e valor total de 5,5 milhões de dólares.

Miller rejeitou uma proposta mais lucrativa do Denver Nuggets para se juntar a LeBron no Cavs. LeBro que já tinha falado que Miller era um dos jogadores preferidos dele.

Miller tem 33anos e na última temporada pelo Grizzlies acumulou médias de 7.1 pontos, 2.5 rebotes e 1.6 assistências com 48.1% nos chutes de quadra e 45.9% no chutes de três pontos em 20.8 minutos por  jogo.

É um ótimo reforço para o Cavs que além de adicionar um veterano ao elenco, também adiciona um especialista nos chutes de três pontos.

Para mais informações do mercado de Free Agents fique ligado no nosso Facebook e Twitter.

Facebook
Twitter Guilherme
Twitter João
Twitter Diego
Twitter CavsBrasil (por Marcelo)

SUMMER LEAGUE UPDATE




O Cavs jogou no Domingo e na Segunda-Feira pela Summer League contra San Antonio Spurs e Philadelphia 76ers respectivamente, e nesse post vou retratar o que houve de mais importante nesses dois jogos.

Antes de mais nada, é bom ressaltar que o Cavs venceu os dois jogos e venceu muito bem, é bem claro que o Cavs tem um dos times mais fortes da Summer League, e é normal que tenha levando em consideração que tem no elenco dois jogadores escolhidos na primeira posição do Draft.

Falando em termos coletivos o time está muito bem, não sei se estou sendo precipitado mas já consigo ver o trabalho de David Blatt sendo aplicado no time. Tirando alguns momentos de apagão defensivo o time está marcando muito bem e mostrando uma grande disposição para correr atrás dos adversários. Além de estar correndo a bola muito bem no ataque, com muitos passes e movimentação na procura do homem livre para o arremesso, óbvio que isso não acontece o tempo todo, sempre tem alguém querendo mostrar trabalho demais e chutando bolas que com certeza não foi ordem do técnico.

O destaque mais positivo do time até agora sem sombra de dúvidas foi Anthony Bennett, o sophomore que não mostra nenhum vestígio do desastre que foi no ano passado está comandando o time nessa Summer League, aparentemente saudável e muito mais magro, Bennett mostrou claramente que andou treinando no seu jogo ofensivo, ainda precisa melhorar os chutes de longa distância, mas já mostrou um grande leque de jogadas ofensivas e até agora já acumulou bons números. Contra o Spurs acabou com 13 pontos e 14 rebotes e contra o Sixers somou 14 pontos e 4 rebotes. Outro ponto que Bennett precisa trabalhar é no desperdícios de bola, foram 5 no último jogo, mas creio que isso e o excesso de arremessos forçados irão desaparecer quando o elenco estiver completo e com mais pessoas para dividir responsabilidade de segurar a bola.

Andrew Wiggins é outro que vem mostrando um bom basquete nos seus jogos de estréia, não vem dominando todas as ações, mas teve atuações sólidas até agora, principalmente na defesa, que sempre soubemos que é a característica mais marcante do seu jogo. Wiggins está tentando muitos chutes de fora, onde claramente seu jogo rende muito mais quando parte pra dentro e utiliza do seu atleticismo, já de mostrar do seu jogo agressivo com enterradas monstruosas, como essa em cima de nada mais nada menos que Nerlens Noel:



Dellavedova que alternou bons momentos e momentos bem apagados, jogou muito bem no terceiro jogo, contra o Sixers, Delly acabou com 19 pontos, 4 rebotes e 1 assistência. Mesmo com essa última boa atuação ele continua como um ponto de interrogação de como será usado na rotação do Cavs, muitos não acreditam que ele possa ser o reserva imediato de Irving, outros acham que ele poderia dar conta. Tem muitos pontos no jogo dele que claramente precisam ser melhorados, e eu acho que ele poderia até render mais se utilizado na posição 2, porque ele apresenta alguns problemas quando precisa ter a responsabilidade de carregar a bola. Mas com a disposição defensiva que ele sempre demonstrou e trabalhando sua armação e seus arremessos, acho que Delly tem um grande potencial para evoluir e ter um bom espaço na rotação do Cavs na próxima temporada.

Algumas das surpresas que vimos até agora neste elenco temporário do time foram Will Cherry que é armador e no jogo contra o Spurs fez 21 pontos, 7 rebotes e 4 assistências e talvez possa ser um nome usado no elenco principal do time que ainda carece de armadores. Ainda no jogo contra o Spurs vimos o pivô Jack Cooley fazer 15 pontos e pegar 5 rebotes. Cooley que aparentemente foi separado na maternidade de Luke Harangody, olhem a semelhança entre os dois: 


Já no jogo contra o Sixers tivemos a grata surpresa do ala-pivô Shane Edwards que finalizou a partida com 14 pontos e 11 rebotes.

Como pontos negativos até agora podemos citar Carrick Felix que já está na sua segunda temporada no Cavs e não mostrou um jogo convincente até agora nesta Summer League, nesses dois últimos jogos fez 7 e 6 pontos respectivamente contra Spurs e Sixers. Outro que não chegamos a ver muito ainda foi Joe Harris que até teve uma boa quantidade de minutos nestes dois jogos, mas não conseguiu mostrar o seu basquete até agora, eu ainda espero ver mais dele, vejo muito potencial nele, espero que se torne uma realidade. E por último, Dwight Powell que chegou em uma troca a pouco tempo ao Cavs, mas este não vimos muito dele me geral, porque ele mal entrou em quadra nos jogos do time até agora, só teve 3 minutos de jogo no último jogo na equipe, é outro que espero ver mais tempo em quadra.

No geral esses foram os pontos mais marcantes da atuação até aqui do Cavs nesta Summer League 2014, depois dessas três vitórias convincentes ficamos esperando quem será o próximo adversário do Cavs no torneio, assim que sair iremos avisar no Twitter ou no Facebook. Não esqueça de nos seguir nas redes sociais (para acessar é só clicar no nome):

Facebook
Twitter Guilherme
Twitter João
Twitter Diego
Twitter CavsBrasil (por Marcelo)

13/07/2014

A CARTA DE LEBRON JAMES


Lebron James divulgou uma carta explicando os motivos de seu retorno ao time dos Cavaliers. 
A carta foi inicialmente traduzida pelo pessoal do Bola Presa, e nós tomamos a liberdade de reproduzi-la aqui no site para tecer alguns comentários. 

Se você é um amante da NBA, você precisa ler. Se você é um amante dos Cavs, você tem obrigação de ler. 
A carta mostra o sentimento de uma localidade que provavelmente quem apenas acompanha a NBA pela TV não consegue entender direito. De fato, é muito difícil explicar, como alguém que ganha mais de $40 milhões por ano pode fazer uma escolha profissional guiado pelo sentimentalisto bairrista. Lebron foi extremamente feliz em passar esse sentimento em sua carta.

Eu tive a oportunidade de visitar Cleveland ano passado, como já publiquei aqui no site, e outros que
tiveram por lá podem concordar que, apesar de Cleveland ser uma cidade com padrões acima do brasileiro, ela tem problemas de segurança e apresenta algumas regiões de pobreza. As constantes campanhas publicitárias de Orgulho pela cidade, parecem ser um movimento necessário para manter a população orgulhosa de sua região, mesmo diante das dificuldades. Cleveland viveu momentos históricos muito importantes, mas parece ser um passado distante. A cidade é uma das mais violentas do país!
Em termos esportivos, a cidade também não vive dias de glória. Basta lembrar o artigo da GQ Magazine que listou as 20 piores franquias de todos os esportes americanos. Entre times de Baseball, de Futebol Americano, Hockey e Basquete, eles colocaram no topo da lista, não apenas o Cavaliers, não apenas um time, mas todas as franquias de Cleveland. Tamanho o insucesso dos últimos anos, a visão do resto dos Estados Unidos perante o esporte realizado na cidade. 
De sorte que é difícil para quem não vive por lá, saber um pouco do sentimento que os moradores de lá possuem. Mas aconselho a todos a reler a carta e pouco a pouco entender como nem mesmo o Show Bussines consegue apagar o amor por uma terra, por um povo, por uma nação. A nação Cavaliers agradece.
Lebron James, você ganha o meu respeito e admiração. 

Antes de qualquer um se importar com o lugar onde eu iria jogar basquete, eu era só um garoto do noroeste do estado de Ohio. Foi lá que eu andei, corri e chorei. É onde eu sangrei. É um local que tem um lugar especial no meu coração. As pessoas lá me viram crescer, eu quero dar a eles tanto quanto puder. Quero inspirá-los quando eu puder. Minha relação com o noroeste de Ohio é maior do que o basquete. Eu não percebi isso 4 anos atrás, mas percebo agora. 
Lembram quando eu estava sentado no Boys & Girls Club (local onde ele fez o ‘The Decision’) em 2010? Eu estava pensando sobre como aquilo era difícil. Eu podia sentir. Eu estava deixando para trás algo que eu havia demorado muito para criar. Se eu pudesse fazer tudo de novo, é claro que eu faria diferente, mas eu ainda teria saído. Miami, para mim, se tornou o que a faculdade é para a maioria dos outros garotos. Estes últimos 4 anos me ajudaram a virar quem eu sou. Me tornei um melhor jogador e homem. Aprendi de uma franquia que já havia estado onde eu queria chegar. Sempre vou enxergar Miami como minha segunda casa. Sem as experiências que tive lá, não poderia fazer o que estou fazendo hoje. Eu fui para Miami por causa de D-Wade e CB (Chris Bosh). Fizemos sacrifícios para manter UD(Udonis Haslem). Amei me tornar o irmão mais velho de Rio (Mario Chalmers). Acreditei que poderíamos fazer algo mágico se nos juntássemos, e foi isso que fizemos! A coisa mais difícil de deixar é isso que construí com esses caras. Falei com algum deles, vou falar com outros ainda. Nada vai mudar o que alcançamos. Somos irmãos para a vida. Também quero agradecer Micky Arison (dono do Miami Heat) e Pat Riley (presidente) por me dar estes incríveis 4 anos.
Estou fazendo este texto porque quero a oportunidade de me explicar sem ser interrompido. Nao quero ninguém pensando: ele e Erik Spoelstra não se dão bem… Ele e Riles não se entendem. … O Heat não conseguiu montar um time. Isso não é verdade. 
Eu não estou fazendo uma coletiva de imprensa ou uma festa. Depois disso, é hora de ir ao trabalho. Quando eu deixei Cleveland, estava em uma missão. Estava buscando um título, e nós vencemos dois. Mas Miami já conhecia esse sentimento. Nossa cidade não sabe o que é isso há muito, muito tempo. Minha meta ainda é vencer o máximo de títulos que eu puder, sem dúvida. Mas o que é mais importante para mim é trazer um troféu para o noroeste de Ohio. Eu sempre acreditei que voltaria a Cleveland para encerrar minha carreira, apenas não sabia quando. Depois da temporada, a Free Agency nem estava nos meus pensamentos. Mas eu tenho dois filhos e minha mulher, Savannah, está grávida de uma menina. Eu comecei a pensar sobre como seria criar minha família na minha cidade natal. Eu falei com outros times, mas eu não iria deixar Miami para outro lugar que não fosse Cleveland. Quanto mais o tempo passava, mais parecia o certo a se fazer. Isso é o que me deixa feliz. 
Para fazer essa mudança precisei de apoio da minha mulher e da minha mãe, que pode ser bastante dura. A carta de Dan Gilbert, as vaias dos torcedores de Cleveland, as camisetas sendo queimadas — ver tudo isso foi difícil pra eles. Eu mesmo estava me sentindo confuso. Era fácil dizer ‘Ok, não quero mais lidar com essas pessoas’, mas depois você se coloca do outro lado. E se eu fosse a criança que idolatra o atleta, e esse atleta me fizesse querer ser melhor na minha vida e, de repente, ele fosse embora? Como eu reagiria? Eu me encontrei pessoalmente com Dan, cara a cara, de homem pra homem. Conversamos sobre tudo isso. Todos cometem erros, eu cometi também. Quem sou eu para guardar rancor?
Eu não estou prometendo um título. Eu sei como isso é difícil de alcançar. Nós não estamos prontos agora, de jeito nenhum. Claro que quero ganhar já no ano que vem, mas sou realista. Será um processo longo, mais do que foi em 2010. Minha paciência será testada, eu sei disso. Eu estou numa situação de time jovem e novo técnico (David Blatt). Eu serei o mais experiente. Mas me animo de unir esse grupo e ajudá-los a chegar a um lugar que eles não sabiam que poderiam alcançar. Eu me vejo como um mentor e estou animado de liderar estes jovens talentos. Acho que posso ajudar Kyrie Irvinga se tornar um dos melhores armadores da nossa liga. Acho que posso ajudar a desenvolver Tristan Thompson e Dion Waiters. E mal posso esperar para me reunir com Anderson Varejão, um dos meus companheiros favoritos. Mas isso não é sobre o elenco ou a organização. Sinto que meu chamado, aqui, está acima do basquete. Tenho a responsabilidade de liderar, em mais de uma maneira, e levo isso muito a sério.
Minha presença pode fazer a diferença em Miami, mas eu acho que significa mais no lugar de onde em vim. Quero ajudar as crianças de noroeste de Ohio, como as centenas de jovens de Akron que eu ajudo com minha fundação, a perceber que não há melhor lugar para se crescer. Talvez alguns deles voltem para casa depois da faculdade e abram um negócio ou comecem uma família. Isso me faria sorrir. Nossa comunidade, que já sofreu tanto, precisa de todo talento que conseguir.
No noroeste de Ohio, nada é dado. Tudo é conquistado. Você trabalha para ter o que tem. Eu estou pronto para aceitar o desafio. Estou voltando para casa.

Em um esporte de altíssimo nível profissional como o basquete americano, é sensacional ver este tipo de sentimento. Evidentemente odiamos a forma como ele saiu da cidade há 4 anos atrás. O mundo sabe que foi ruim para o time dos Cavaliers, imagine então para o povo de Ohio. Talvez você entenda melhor a revolta daquela época. 

O jornalista Sam Amico comentava como gostava de ver o treinador Blatt se referir aos Cavaliers como "Clube", tipicamente europeu. É interessante que essa expressão se aproxima mais da relação que a cidade tem com a Franquia. Por isso, a partir de hoje passo a substituir também a palavra franquia por Clube também, porque em Ohio é mais que um negócio. 

Os Cavaliers fazem parte da cidade. São uma parte importante nessa sofrida cidade. 
Espero que os outros jogadores aprendam muita coisa com Lebron James, mas principalmente que aprendam bastante sobre este sentimento. 

11/07/2014

PONTA PÉ INICIAL





E em meio a toda excitação do retorno de LeBron a Cleveland, começamos a temporada 2014-15 com nosso primeiro jogo na Summer League, e não era um jogo qualquer, reunia nada mais, nada menos que os dois primeiros picks do último Draft, Andrew Wiggins com a camisa do Cavs e Jabari Parker com a camisa do Bucks. E para se ter noção do tamanho da hype em volta desse jogo, o Cox Pavillion, em Las Vegas ficou lotado para assisti-los jogar, inclusive com pessoas do lado de fora querendo entrar. No jogo em si podemos ter noção de algumas peças que teremos no elenco na próxima temporada regular. Os principais nomes que vimos em quadra foram do próprio Wiggins, Anthony Bennett e Matthew Dellavedova. 

Começando por Dellavedova, que fez um bom jogo no geral apesar do começo ruim e do péssimo aproveitamento nos chutes de quadra. Delly acabou o jogo com 3-11 destes arremessos e horríveis 1-6 das tentativas de 3 pontos, mas no segundo tempo conseguiu engrenar boas jogadas e inclusive foi o homem responsável por bater os últimos lances livres do Cavs para decretar a vitória, acabou o jogo com 13 pontos, 6 assistências e pasmes NOVE rebotes. Passando para Anthony Bennett que para mim foi a grande surpresa da noite, claramente bem mais em forma e mostrando logo seu atleticismo Bennett finalizou a partida com 15 pontos e 7 rebotes, além de 8 faltas (sorte dele que não tem ejeção com 6 faltas na Summer League), Bennett também não teve um bom aproveitamento nos chutes de quadra acabando com 6-16 e 1-5 nas tentativas de três pontos, muito devido a vários chutes consecutivos depois de rebotes ofensivos e que culminou em um air ball no fim, Bennett precisa trabalhar melhor suas escolhas de chutes, mas está perdoado por ser na Summer League. E enfim passamos ao protagonista da noite, Andrew Wiggins, que acabou o jogo com 18 pontos e 3 rebotes, mas também precisa melhorar bastante suas escolhas de arremessos, principalmente na linha dos três pontos, onde foi muito abaixo da expectativa e acabou com apenas 1 acerto de 8 tentados, mas nos brindou com jogadas atléticas espetaculares, quando perguntando no fim do jogo se era parte da sua estratégia impressionar o público com jogadas plásticas, ele respondeu que um pouco, que faz parte do jogo dele. E foi o que vimos, teve toco, enterrada monstruosa e tentativa de ponte aérea onde ele mostrou o quanto pode sair do chão.

Dos outros jogadores que fizeram parte do elenco do Cavs na Summer League Scotty Hopson acabou o jogo com 7 pontos, o pivô Alex Kirk acabou com 6 pontos e 12 rebotes e Will Cherry que finalizou com 7 pontos e 3 rebotes. Não tivemos a oportunidade de ver Joe Harris em quadra, mas ficamos na expectativa de que ele entre no próximo domingo contra o Spurs.

Outros pontos que gostaria de ressaltar é como o time moveu bem a bola, e também como o time se moveu bem, acredito eu, que já muita influência de David Blatt no treinamento desse elenco temporário, mas foi bom ver como o time sempre procurava um passe extra e sempre estava em movimento, usando bastante picks and rolls. E o ponto principal que me agradou bastante foi a dedicação na defesa, eu sei que muito disso se deve ao fato de muitos deles estarem buscando mostrar serviço para ter uma vaga na NBA, mas foi legal ver cada arremesso ser contestado e ninguém com preguiça de se movimentar na marcação, espero ver muito disso quando a temporada regular começar.

Eu sei que em jogo de Summer League o que menos vale é o placar, mas mesmo assim é ótimo vencer na estréia, não foi um jogo fácil, mas vencemos por 70 a 68. E vale ressaltar que Jabari Parker também fez uma ótima partida com 17 pontos e 9 rebotes. Mas mesmo que essa vitória não valha muita coisa vale comemorar, vale comemorar porque a atmosfera dos torcedores do Cavs é de alegria, e mais do que isso, de esperança.

#GoCavs

Alguns lances do jogo:






HE'S BACK!!!



Lebron James, melhor jogador de basquete da atualidade, está de volta a Cleveland!!
James retorna ao time em que começou sua carreira na NBA. Retorna mais vitorioso, mais experiente, mais confiante. Após 2 títulos e 2 vice-campeonatos, ele decidiu deixar Miami e tentar cumprir sua promessa de dar um campeonato para o Cleveland Cavaliers!! 

A decisão de James era a mais esperada da Free Agency. Desde o dia 1 de julho, muito se especulava sobre a decisão do jogador, natural de Ohio. Por muitos dias, jornalistas e torcedores transformaram a internet em uma enxurrada de rumores e notícias desencontradas. A esperança e expectativa dos torcedores de Cleveland começaram a crescer quando alguns postaram em redes sociais de que a decisão do jogador já estava tomada. Começou-se a buscar indícios disso. Avião foi rastreado, pessoas prometeram se matar se estivessem erradas, loja de cupcakes serviria de fonte confiável para um sonho.
Mas o sonho só se confirmou nesta sexta-feira, através do site "Sports Illustrated", quando James divulgou sua decisão. Sem alarde, sem programa de televisão, com conversa com o time que estava abandonado. Sinal de um James mais amadurecido. 
Mas que continua querendo ser vencedor. James não veio a Cleveland só pelo amor a sua cidade, mas porque encontra no projeto dos Cavaliers uma potencial equipe capaz de lhe ajudar a conseguir o seu terceiro anel. Curiosamente a equipe de Ohio será a primeira a ter 4 primeiras escolhas de Draft no seu elenco.

Evidentemente a repercussão é imensa, principalmente pela reação de ódio demonstrada pelos torcedores dos Cavs, queimando camisas e expondo palavras de raiva e desprezo, bem como pela famosa carta do dono dos Cavaliers, que dispensa comentários. Mas tudo só aconteceu porque os torcedores dos Cavs são extremamente passionais. Torcedores dos Cavs amam sua equipe. Mais do que jogadores. Todos que quiserem vencer com os Cavaliers serão muito bem-vindos!!

Mais informações da volta de Lebron James em nossa página no facebook e também nos seguindo no Twitter oficial e Twitter também.

WELCOME HOME LEBRON!


02/07/2014

TEMPORADA EM NÚMEROS

E agora que a Offseason está engrenando com os agentes livres recebendo suas ofertas, vamos tirar um momento para conferir a evolução dos números de nossos jogadores nas ultimas temporadas.

É uma analise simples mas através dela podemos ver alguns pontos de evolução e outros nem tanto. Alem disso, no inicio da temporada tentei aqui fazer algumas previsões de como se sairiam os jogadores que já estavam na temporada 2012-2013 no Cleveland Cavaliers, agora com o fim da temporada podemos ter uma ideia de quais jogadores evoluíram em seu números ofensivos e quais não tiveram uma evolução nas ultimas 2 temporadas pelo Cavs, vamos aos números:


Kyrie Irving:
Temporada 2012/2013 - 34.7 Min / 22.5 Pontos / 3.7 Rebotes / 5.9 assistências   
Previsão: 25.0 pontos / 4.0 rebotes / 7.0 Assistências
Temporada 2013/2014 - 35.2 Min / 20.8 Pontos / 3.6 Rebotes / 6.1 Assistências


Dion Waiters:
Temporada 2012/2013 - 28.8 Min / 14.7 Pontos / 2.4 Rebotes / 3.0 Assistências
Previsão: 18.0 Pontos / 4.0 Rebotes / 3.0 Assistências 
Temporada 2013/2014 - 29.6 Min / 15.9 Pontos / 2.8 Rebotes / 3.0 Assistências



Alonzo Gee:

Temporada 2012/2013 -  31.0 Min / 10.3 Pontos / 3.9 Rebotes / 1.6 Assistências
Previsão: 9.0 Pontos / 3 Rebotes / 1.0 Assistências

Temporada 2013/2014 - 15.7 Min / 4.0 Pontos / 2.3 Rebotes / 0.7 Assistências




Tristan Thompson:

Temporada 2012/2013 - 31.3 Min / 11.7 Pontos / 9.4 rebotes / 1.3 Assistências
Previsão: 13.0 Pontos / 10 Rebotes / 1.5 Assistências

Temporada 2013/2014 - 31.6 Min / 11.7 Pontos / 9.2 Rebotes / 0.9 Assistências


Anderson Varejão:


Temporada 2012/2013 - 36.0 Min / 14.1 Pontos / 14.4 rebotes / 3.4 Assistências

Previsão: 11.0 Pontos / 10.0 Rebotes / 3.0 Assistências

Temporada 2013/2014-  27.7 Min / 8.4 Pontos / 9.7 Rebotes / 2.2 Assistências



C. J. Miles:

Temporada 2012/2013 - 21.0 Min / 11.2 Pontos / 2.7 Rebotes / 1.0 Assistências
Previsão: 13.0 Pontos / 3.0 Rebotes / 1.0 Assistências

Temporada 2013/2014 - 19.3 Min / 9.9 Pontos / 2.0 Rebotes / 1.0 Assistências






Tyler Zeller:

Temporada 2012/2013 - 26.4 Min / 7.9 Pontos / 5.7 Rebotes / 1.2 Assistências 
Previsão: 5.0 Pontos / 4.0 rebotes / 1.0 Assistências

Temporada 2013/2014 - 15.0  Min / 5.7 Pontos / 4.0 Rebotes / 0.5 Assistências




Pudemos ver nos números que poucos jogadores conseguirão evoluir e muitos tiveram seus tempos reduzidos pela nova rotação que o Mike Brown implantou na equipe e também pelos reforços que foram chegando no decorrer da temporada.

Isso não quer dizer que os jogadores não tenham desenvolvido outros fundamentos, no caso a defesa melhorou muito nessa temporada, porém com o ataque limitado em jogadas e movimentação, poucos tiveram a chance de fazer uma temporada brilhante ofensivamente.

O que mais chama atenção são os números de assistências, após ver as Finais onde o Spurs movimentavam a bola até achar o jogador melhor posicionado para o arremesso, conseguimos ver o abismo de diferença entre a equipe campeã da NBA e o Cavs, com a contratação do David Blatt a tendencia é que os números de assistências aumentem e possamos ter uma movimentação de bola muito melhor. (Pelo menos é essa a nossa expectativa!)

E aí, alguma surpresa? Algum jogador foi tão abaixo assim do esperado?
Não deixem de comentar e já deixar aqui a opinião de vocês e o que esperam de nossos jogadores para a temporada 2014/2015.


01/07/2014

FREE AGENCY

Vamos atualizando aos poucos as notícias relevantes.

*Cleveland fechou uma negociação com três times, que enviou Jack e Karasev para os Nets, Zeller, Pick do Draft de 1ª rodada dos Cavs 2016 (Top 10 protegida) e Thornton (Nets) para os Celtics e os Cavs ficaram com espaço pra absorver um contrato máximo (do James) e direitos sobre 3 atletas que nem vale a pena dizer os nomes. Foi a jogada para Lebron James. Só falta ele vir.

*Ontem, Hayward anunciou que entrou em acordo com o Charlotte Bobcats que vai oferecer 64 milhões de dólares por quatro anos. Uma fortuna. Outra pequena fortuna foi oferecida ao Parsons. Dallas ofereceu 46 milhões por 3 anos. Jazz e Rockets ainda podem cobrir as oferts, pois os jogadores são restritos. Mas o que nos importa é que se Lebron não acertar com os Cavs, perdemos as melhores ofertas para a posição. (mas Lebron virá!)



* Continua a caçada pelo Lebron.  Muitos e muitos rumores dão como certa a sua vinda a Cleveland. Ontem o rumor ganhou bastante força. E o personagem do fim de semana foi Joshua Teplitz que garantiu com todas as letras a volta do James. Pelo seu Twitter ainda disse que Dan Gilbert, proprietário dos Cavs estava voando para Miami para fechar tudo. Pelo Twitter, Dan negou. Mas eis que descobriram que o jatinho de Gilbert realmente saíra em direção a Miami. Começou uma hilária perseguição pelo avião de Dan. Cogitou-se as pessoas que estariam na aeronave. Concluiu-se pelo Big Z. A Hashtag #BringHimHomeBigZ ocupa os Trending Topics do Twitter. Foi tudo muito divertido e A expectativa não deixava ninguém dormir. No fim, a notícia de que Pat Riley se encontraria com Lebron no início dessa semana acalmou os ânimos. 

Veja na foto acima o tamanho da confiança do Joshua Teplitz:

Conclusão de tudo isso: Se você é fã dos Cavs e não está no Twitter agora, você não está está fazendo isso certo!!


*E a Free Agency começou com uma notícia quente para nós:



Kyrie Irving aceita a extensão do seu vínculo com os Cavs, para passar a receber o Contrato Máximo permitido na liga e ficar mais cinco anos na franquia. Foi um recado claro aos outros Free Agents: Garantimos o garoto aqui, Cleveland é uma beleza, podem vir se juntar a nós.
Bom primeiro passo dado em direção de uma monumental e movimentada Free Agency
*Deng interessa alguns times, em especial os Clippers.
*Pat Riley dirigente do Miami Heat mostrou também um grande interesse pelo Deng, além do Heat e Clippers, o Mavs vem forte para a disputa pelo veterano All Star.

*Novela Lebron está apenas começando!

*O pivô Marcin Gortat vai continuar em Washington. Renovou por 60 milhões de Obamas por mais 5 anos no time da capital americana. Um pivô de qualidade a menos para os Cavs contratarem.

*Miles finalmente fechou com o Indiana Pacers. Deixará os Cavs para ganhar $18 milhões em 4 anos. Boa Sorte para ele, que foi um jogador que sempre agradou a maior parte da torcida.

* Importante notícia: o pivô Hawes assinou com o Clippers e deixará os Cavs. Acordo com o Clippers para jogar lá por 4 anos pela bagatela de $23 milhões. Essa notícia nos deixa apreensivo, pois com a provável saída de Deng, todos os Free Agents terão deixado o time, e até agora nenhuma peça se juntou ao time. Primeira notícia que não recebemos com alegria nesta offseason.   

Vamos ver como esse Post mudará nas próximas horas!

29/06/2014

OLD SCHOOL CAVS: BRAD DAUGHERTY





Hoje vou dar continuidade na coluna Old School Cavs, que já escrevi aqui no blog sobre o Austin Carr. Nesta coluna eu falo sobre jogadores que já usaram a camisa do Cavs, seja ele uma grande estrela ou apenas um ilustre desconhecido com uma história interessante. O escolhido desta vez é um jogador que foi extremamente importante para história do Cavs, principalmente porque toda sua carreira foi construída com a camisa do nosso time, hoje contarei um pouco da história de Brad Daugherty.

Daugherty nasceu no dia 19 de Outubro de 1965, tinha 2,13 de altura e pesava 111 kg. Começou sua carreira no basquete no colegial pelo Charles D. Owen High School, passando para a universidade de North Carolina e enfim chegando ao Cavs onde jogou toda sua carreira na NBA.

Daugherty foi um dos melhores pivôs a jogar pela universidade de North Carolina, entrou na universidade em 1982, aos 16 anos, depois de ter levado seu time as finais no colegial. Foi treinado pelo legendário técnico Dean Smith, que o guiou a ganhar alguns prêmio na NCAA, além de ser incluído no Hall da Fama de North Carolina, ele acumulou médias de mais de 20 pontos por jogo no seu último ano na faculdade.

No Draft de 1986 Daugherty foi escolhido como primeira escolha pelo Cavaliers, e essa primeira escolha o Cavs tinha obtido por uma troca com o Philadelfia 76ers onde o Cavs tinha enviado Roy Hinson e uma quantia em dinheiro, e para termos uma noção que como foi esse Draft para o Cavs, o time também adquiriu Ron Harper na oitava escolha, jogador com médias de quase 20 pontos nas 4 temporadas que esteve no Cavs, e também adquiriu os direitos a Mark Price em uma troca com o Dallas Mavericks, que jogou 9 temporadas com o Cavs.

Brad Daugherty teve uma carreira vitoriosa pelo Cavs, repleta de records do time quebrados por ele. Ficou 8 temporadas na NBA, todas usando a camisa do Cavs e acumulou médias de 19 pontos e 9.5 rebotes por jogo, por muito pouco não acabou com média de double-double depois de sua aposentadoria. Quando se aposentou era o líder na história do Cavs em pontos (10.389) e em rebotes (5.227). Estes recordes construídos por Daugherty permaneceram até que LeBron e Ilgauskas quebraram respectivamente os de pontos e rebotes, e por curiosidade, ambos contra o Toronto Raptors.

Falando de pós-temporada, Daugherty jogou no total 41 jogos de playoffs e o conseguiu no máximo liderar o Cavs para a final da Conferência Leste em 1992, onde o time foi eliminado pelo Chicago Bulls por 4 a 2. Além das conquistas com o Cavs, Daugherty também participou do All-Star game em 5 ocasiões (1988, 1989, 1991, 1992, 1993). No aniversário de 30 anos do Cavs também foi escolhido para a seleção do melhor time de todos os tempos do Cavs.

Quando completou 28 anos Daugherty teve que encerrar sua carreira precocemente por causa de problemas nas costas. Após a temporada de 1993-94 ele nunca mais participou de um jogo, e depois de duas temporadas de inatividade ele resolveu anunciar sua aposentadoria. Sua camisa de número #43 foi aposentada pelo Cavs.

Hoje em dia Daugherty é muito ligado a caridade, e como sempre foi muito fã de corrida automobilística, hoje ele é comentarista da NASCAR no canal Showtime e também é proprietário de parte da equipe JTG Daugherty Racing.

Brad Daugherty é sem sombra de dúvida um dos jogadores que marcaram a história do Cavaliers, e que honrou a camisa do time em toda sua carreira. Deixo a dica para se puderem assistam jogos da época do Cavs com ele no time, vale muito a pena vê-lo junto de Price, Ehlo, Nance e outros. Por fim deixarei um vídeo com algumas jogadas do grande jogador que foi Daugherty.


Gostaram de conhecer sobre a história de Daugherty? Deixem sua opinião na caixinha, inclusive opinando sobre possíveis jogadores a aparecer aqui no Old School Cavs.


28/06/2014

JOE HARRIS, UM AUTÊNTICO CAVALIER

Esse Draft foi muito esperado pela NBA. Naturalmente, muitos ainda repercutem a sorte dos Cavs (devidamente vaiado na noite da seleção) e a escolha de Andrew Wiggins como grande destaque da noite.

Mas vamos dedicar este Post a segunda escolha dos Cavaliers: Joe Harris.
Harris foi selecionado na segunda rodada, 33ª escolha geral. 

Harris, curiosamente sempre foi um Cavaliers! Isto porque ele jogou por 4 anos na Universidade de Virginia, que reúne seus atletas sobre o epíteto de Virgínia Cavaliers! Harris teve muito sucesso na faculdade, chegando na temporada 2012-2013 a 16.3 pontos por jogo. No último ano, liderou sua faculdade ao título da sua conferência, a ACC (que conta com Syracuse, Norte Carolina e Duke, de Jabari Parker) sendo eleito o MVP do Torneio da conferência, acima do Jabari Parker. 

Cavs decidiu usar sua escolha de segunda rodada para pegar um Shooter. Neste sentido, com certeza pegou o melhor disponível. Joe Harris manteve média geral acima de 40% nos 3-pontos, nos anos de universidade. Griffin tem altas expectativas sobre ele, demonstrando que pretende usá-lo no elenco deste ano. 
Sobre Harris, Griffin afirmou: "Ele é uma peça complementar muito boa para nós, como shooter - alguém que avaliamos de forma bem alta, bem mais alta que uma 33ª escolha geral. E alguém que acreditamos ser um dos melhores, se não o melhor neste Draft, nos tiros com ajuda de um bloqueio e em movimento. E isto também é uma grande parte do que treinador Blatt gosta de fazer. Do ponto de vista do encaixe no time, ele é ideal. Do ponto de vista humano e do trabalho, ele tem sido tudo o que nós queremos que nossa cultura seja. Muito, muito similar ao Dellavedova. Um cara que vai deixar tudo que tem  em quadra."  

Eu não gosto de comparar os novatos com jogadores que já fazem/fizeram sua jornada na NBA, mas vou ceder ao modismo para dar uma idéia da expectativa que podemos ter sobre ele. Num cenário negativo, ele pode ser mais um Boobie Gibson. Creio que pode ser mais. Num cenário razoável, um Kyle Korver. Num cenário bastante otimista, um Manu Ginobili. Joe tem um basquete bem no estilo europeu, capaz de movimentar a bola bem e infiltrar, sem o atleticismo americano, mas sendo esperto e eficaz como o argentino dos Spurs (e defender com  mesma dificuldade).

 Acreditamos que pode ser um bom role player. Vamos torcer por isso. Não é fácil, veja como o Karasev está sofrendo. A vantagem do Harris é sua idade (22) e jogar no basquete americano há 4 anos. 

Vendo alguns vídeos do novo/velho Cavalier, dá para ter esperanças.
Dê uma olhada (ei, eu disse dê uma olhada....Não faça a besteira de sair deste Post sem ver este vídeo):



Algumas sequências são impressionantes. Facilitou muito o editor do vídeo!!!

O vídeo abaixo ainda tem os comentários com pessoal do DraftExpress. Muito bom também.



Só um detalhe aqui, quem já jogou basquete aqui vai entender: Como eles treinam em um nível muito mais alto que o nosso. Impressionante como qualquer besteira lá é muito mais pesada em relação ao que fazemos aqui.
Por fim, o jogo de 36 pontos do Joe Harris, contra Duke, há 2 temporadas.



Qual sua expectativa?

27/06/2014

WELCOME TO CLEVELAND



A noite do Draft foi bem interessante para os torcedores dos Cavaliers.
A primeira escolha desta vez foi um pouco mais previsível. Selecionaram Andrew Wiggins. A comemoração foi imensa na Q-Arena. 
Logo após a escolha, Cavs liberou o vídeo com um pouco do treino do Wiggins em Cleveland, sob os olhares de David Blatt e Griffin. (Veja Aqui)

Griffin disse após a seleção que a escolha foi feita na tarde de ontem, mas que estava atento até o final a todas as ofertas. Por sinal, disse que a maioria das possibilidades de trocas divulgadas nunca foram feitas. Contudo foram feitas ofertas melhores que as divulgadas que não ganharam publicidade. Griffin disse ainda que Wiggins pode defender várias posições e que enxergar o jogador como um grande SG. Griffin elogiou o Wiggins ainda como um jogador de grupo, que pensa no "nós" e não apenas no "eu". 
O GM deixou claro, portanto, que ofensivamente o Wiggins é visto como um SG. Fica portanto o time com espaço para adquirir um SF na Free Agency. (Desde cedo quer deixar claro que ele pode jogar junto com o Lebron e que a escolha do Wiggins não significa que o time desistiu de tentar o retorno do craque).

Wiggins disse que sempre sonhava com este momento. Disse ainda que não sabia que seria o escolhido até o seu nome ser chamado. Falou que quer ser um dos melhores da liga, trabalhar duro para ser o ROY e All-Star. Sobre a posição que vai jogar, Wiggins disse que não tem preferência. "onde o treinador me quiser, eu vou jogar". Reforçou ainda que vai gostar de jogar do lado de Bennett e Tristan Thompson, pois como são colegas de seleção canadense, a química já existiria. Por fim, Wiggins disse ainda que queria fazer algo que ainda não tinha sido feito...Trazer um campeonato para Cleveland!!

Na escolha 33, Cavs se viu num cenário interessante. Alguns jogadores cotados para o primeiro round (de 1 a 30) ficaram disponíveis para seleção. Em especial, destacamos o Cleanthony Early (16.3 pts e 6 rebotes). Mas o escritório dos Cavs estava de olho em outro jogador. Puxaram pra cima Joe Harris. Escolha que deve ser usada. Harris é um gatilho de longa distância. Veterano, levou sua faculdade ao Sweet 16. Griffin disse que tinha altas expectativas sobre ele. E deve ter mesmo, porque Cleveland ignorou o cenário favorável e se manteve firme com sua idéia prévia de selecionar o Harris. No cenário positivo, podemos ter selecionado um novo Kyle Korver. Ficamos com Karasev, Miles e Harris como gatilhos a serviço da equipe. 

Quando a noite parecia ter terminado, foi noticiado que Cavs teria adquirido em troca o Dwight Powell, selecionado na escolha número 45, pelo Hornets, em troca de ....nada! Cavs teria apenas que receber também o contrato do Brendan Haywood (2 milhões). Há ainda indícios de que Alonzo Gee iria para o Hornets. Griffin não comentou a troca, pois ela ainda não foi oficializada pela liga. Caso ocorra, Powell será o quarto canadense no elenco dos Cavs. Uma boa aquisição para um versátil PF de 2,11, que poserá ser usado como C. Powell teve médias de 14 pontos e 7 rebotes. 

26/06/2014

WIGGINS É DOS CAVS


Cleveland Cavaliers seleciona Andrew Wiggins como número 1 do Draft de 2014.

É quase um sonho. Wiggins é nosso.
Nada de invenções, nada de trocas.

O ala canadennse é o segundo atleta de seu país selecionado como primeira escolha de draft, repetindo o feito do ano anterior de Bennett. Mas não vamos falar de Bennett para não dar azar. 

Wiggins mostrou contentamento com a escolha. O curioso foi a sonora vaio que os Cavs levou quando foi anunciado por Adam Silver como time a ter a primeira decisão da noite. Soou como um protesto. 
Bem, melhor levar vaia antes do que depois de draftar.

Agora você pode comemorar!!! A promessa canadense é nossa. Muitos times sonhavam com ele, mas nós teremos a oportunidade de desenvolver o jogador. 
Wiggins quer vencer na NBA. Perguntado sobre o Lebron James, Wikggins afirmou : "Eu quero vencer. Se ele quer vencer, estaremos bem juntos!" 

Bem-vindo a Cleveland, Wiggins!!!
Todo sucesso do mundo!!!!

Abaixo algumas reações pós Draft...


(ops)

Gostou da escolha??

25/06/2014

DAVID BLATT - ENTREVISTA

Hoje em Cleveland foi realizada a primeira entrevista coletiva de David Blatt como treinador do Cleveland Cavaliers.

A entrevista foi concedida na Cleveland Clinic Courts, que é disparada uma das maiores estruturas da NBA e um orgulho para a franquia. O encarregado de fazer a apresentação do novo treinador foi o General Manager David Griffin. Na entrevista, Blatt foi questionado por diversos jornalistas dos mais variados meios de comunicações de Cleveland.

Para iniciar a entrevista Blatt começou com um discurso pronto, direto aos jornalistas e aos torcedores do Cavs:

"Obrigado a todos. É uma grande honra e alegria aceitar o cargo de treinador do Cleveland Cavaliers. A cidade de Cleveland e os Cavs estão cuidadosamente entrelaçados na construção desta comunidade. Eu sei que é meu trabalho gerar entusiasmo, energia e uma atitude vencedora para a equipe e os torcedores da equipe daqui e de toda parte.

Podemos destacar algumas falas dada do novo treinador do Cavs que com muita irreverência e firmeza mostrou que veio para trabalhar muito e principalmente colocar ordem na casa.
Segue algumas palavras/respostas importantes:

Sobre ser um treinador de defesa ou de ataque:
"Não sou um treinador de defesa ou de ataque, mas sim um treinador de basquete."

Sobre os pontos a melhorar no time:
"Como qualquer time, nós temos muitas áreas para melhorar que iremos abordar. Temos um novo sistema para incorporar, e nossa tática e curva de aprendizado, para ser efetivada, leva tempo, esforço e nós vamos coletivamente como grupo e organização fazer todos os esforços, junto com nossos bons jogadores, para tornar esse time atraente e bem sucedido."

Sobre o que esperar de sua passagem por Cleveland:
"Eu venci em todos os lugares que passei, planejo fazer isso aqui e conto com a ajuda de vocês."

Sobre a sua filosofia de jogo:
"Jogue duro, jogo em grupo, jogue pra vencer e se divirta. Basquete é um grande jogo. É um jogo de equipe.(...) Nós estaremos comprometidos a jogar como time. Sermos bons  dos dois lados da quadra."

Sobre nunca ter treinado um time na NBA:
"Absolutamente. É um desafio, mas eu tenho que te dizer, o jogo não é tão diferente como as pessoas pensam. Um pouco mais distante daqui, o atleticismo e a velocidade pela quadra é diferente, mas não é como se tivesse jogando beisebol ou futebol.
Eu fui treinador em jogos internacionais o suficiente, participando de eventos que incluem jogadores da NBA, e times da NBA, para saber que, se você joga da forma certa, não faz muita diferença onde você joga."

Sobre quem o Cavs vai recrutar no Draft:
Jornalista: "Parker ou Wiggins?"

Blatt: "Anthony Parker!"


No fim da entrevista ainda houve tempo para dizer que muita gente não iria concordar com a #1 pick, mas isso já é esperado, com um nível tão alto no Draft  não teremos 100% de aprovação, mas esperamos que seja quem for o escolhido, que ele possa nos levar a muitas vitórias.

Pudemos ver que Blatt é um treinador descontraído e que tem uma filosofia de grupo. Não irá colocar o individual sobre o time, algo que não vemos em Cleveland há muito tempo, desde a "Era Lebron", quando o time jogava por ele e dele dependia.

O que nós torcedores podemos fazer é torcer para que David Griffin faça a escolha certa no dia 26 de junho e que faça as contratações da melhor forma possível. No que depender de nós torcedores, estaremos dando apoio total ao nosso novo treinador e iremos mais do que nunca torcer para que David Blatt tenha uma passagem vitoriosa por Cleveland.